Havia uma grande expectativa por parte dos integrantes da Câmara de Vereadores de Canela que Alberi Dias poderia renunciar ao cargo de vereador na última semana, ainda mais depois que um procurador retirou um modelo de pedido de denúncia. Para confirmar esta informação, o Portal da Folha entrou em contato com a defesa de Alberi, através de Tiago Botene, do escritório de advocacia Campana. Segundo a defesa, “a Câmara fez relatando que existem votações que dependem da presidência, então em comum acordo com a Câmara, Alberi decidiu renunciar ao cargo de Presidente. A renúncia foi, tão somente, para desobstruir os trabalhos que necessitavam dos comandos e participação do presidente”.

Tiago acredita que Alberi deva ter sua liberdade restabelecida em breve e, com isso, seguirá com as atividades de vereador. “Estamos aguardando o relatório final do Inquérito Policial, que deverá ser enviado nos próximos dias, como a Lei processual penal determina, acreditamos que com a vinda do Relatório Final, ante a falta de elementos probatórios em relação a Alberi, o juízo da comarca de Canela irá rever a prisão processual e conceder a soltura”, afirmou o advogado.

Ficando claro que, em liberdade, Alberi deverá exercer o cargo de vereador, o Portal questionou a defesa quanto a uma possível comissão de ética. A resposta foi a seguinte: “Em sendo concedida a liberdade, Alberi irá manter o cargo à disposição da justiça. Se não for determinado o afastamento, seguirá trabalhando como vereador. Não existem elementos para instauração de uma Comissão de Ética, caso eventualmente seja instaurada Alberi ficará a disposição para qualquer esclarecimento”.

Ainda, sobre as acusações sobre Alberi Dias, Tiago Botene finaliza: “o pedido do delegado de polícia, que levou à prisão do Alberi, não possui qualquer fundamento legal, tendo inclusive manifestação do Ministério Público pela manutenção da liberdade. A defesa acredita que logo será reestabelecida sua liberdade e ao final restará comprovado que Alberi nunca teve qualquer envolvimento com qualquer ato ilícito”.

Portanto, fica claro que Alberi não deve renunciar ao cargo de vereador, pretende se defender na comissão de ética e na Justiça.

Fonte da informação – Portal da Folha